A Cidade

Localização do Município: Mesorregião Mata Pernambucana; Microrregião Mata Norte Pernambucana

Distância do Recife: 62 km

Rodovias de Acesso ao Município: BR-101 Norte

Municípios limítrofes: Norte – Paraíba; Sul – Itaquitinga, Igarassu, Itamaracá, Itapissuma; Leste – Oceano Atlântico; Oeste – Condado e Itambé.

Área (Km2): 501,170

Altitude (m): 13

Temperatura Média Anual: 25º C

População (Hab.): 85.644

Meses de Maior Incidência de Chuvas: Junho e julho

Potencialidades Turísticas:

Cidade histórica, revela  monumentos religiosos –  como o Conjunto Carmelita (1666), com a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, a Igreja de Santa Teresa da Ordem Terceira do Carmo e um belíssimo cruzeiro esculpido em pedra calcária – e  antigos engenhos. Goiana também oferece praias perfeitas para veraneio – Barra de Catuama, Catuama, Pontas de Pedra, Tabatinga, Atapuz, Carne de Vaca (com o seu Riacho Doce – local onde foram filmadas cenas do seriado para TV) – e a Ilha de Itapessoca. Interessante conhecer Tejucupapo, a lembrar as mulheres que, no século XVII, bravamente expulsaram do Povoado os invasores holandeses;  a Usina Santa Teresa; a Fazenda Tabatinga (Reserva Particular do Patrimônio Natural de Pernambuco); o Engenho Japumim, de onde, no dia 29 de junho, parte procissão fluvial em louvor a São Pedro; a Praça do Artesão, com esculturas de figuras populares e personagens do Município; e o artesanato, com realce para a cerâmica figurativa (imperdível conhecer o Atelier de Zé do Carmo, com suas imagens de “santos sanfoneiros” e “anjos cangaceiros”).Goiana possui privês de veraneio, marinas e serviços populares de hospedagem e alimentação. Dentre os restaurantes, o pitoresco “Buraco da Gia”, com pratos à base de frutos do mar e grandes caranguejos amestrados, a servir e cumprimentar os visitantes. O Município conta ainda com a infra-estrutura turística receptiva de localidades próximas, a exemplo de Igarassu e da Ilha de Itamaracá.

Histórico do município:

É anterior a 1570 a fundação de Goiana, habitada primitivamente por índios Caetés e Potiguares. Em 1568, por ocasião da visita a Pernambuco do então bispo de Brasil, Frei Antônio Barreiros, foi elevada à categoria de freguesia, pertencente à capitania de Itamaracá. Foi a que mais floresceu, tanto que, por vezes, foi a sede da capitania. Em 3 de agosto de 1892, constituiu-se de município autônomo, sendo instalado em 1 de março de 1893. Foi um dos pontos de desembarque de tropas holandesas, e teatro de algumas batalhas. Em 1646, no dia 24 de abril, os batavos são totalmente derrotados pelos goianenses em Tejucupapo, onde surgiram as “Heroínas de Tejucupapo”. A origem mais provável do nome Goyanna é que venha da palavra tupi-guarani “Guyanna”, que significa “terra de muitas águas”.

Fonte: Empetur